Essa é a cirurgia conhecida por devolver toda a qualidade de vida e autoestima para a mulher que passou por um procedimento de mastectomia.

Atualmente a cirurgia de reconstrução mamária é feita em conjunto com a mastectomia, logo após a cirurgia que retira parte ou a totalidade das mamas, a paciente já segue com a cirurgia plástica para reconstituir a mama que passou pelo processo cirúrgico.protese-ideal

Existem alguns casos em que a paciente, por recomendação dos médicos, não faz a cirurgia de reconstituição logo após a mastectomia. Isso ocorre quando o médico percebe que uma cirurgia plástica poderia prejudicar o tratamento da  paciente, então a cirurgia de reconstrução fica indicada para um segundo momento.

Para entender quais são os tipos de cirurgias de reconstrução é preciso saber quais são as cirurgias de retirada dos tumores e calcificações:

Setorectomia

Esta cirurgia, a setorectomia,  na maioria das vezes, é feita em mulheres que tiveram o diagnóstico precoce, e começaram a cuidar ainda no começo do desenvolvimento do tumor, ela é feita em pacientes que apresentam microcalcificações mais localizadas.

Na cirurgia é feita a retirada de um setor da mama, apenas o local onde está o tumor, mais uma margem de tecido livre, para garantir que qualquer potencial problema seja eliminado do corpo da paciente.

As pacientes que passaram pela retirada de um setor da mama, em geral, ainda apresentam tecido mamário, e se necessário podem recorrer às cirurgias de reconstrução como: colocação de próteses ou enxerto de gordura.

Mastectomia simples e Mastectomia radical

Nesses tipos de cirurgias a retirada da mama é total. A primeira segue sem avaliação dos gânglios linfáticos e na segunda é feita a retirada da mama e a retirada dos gânglios linfáticos da axila para avaliação e pesquisa do linfonodo sentinela.

Variantes

Dependendo do tipo e da extensão da lesão o médico pode definir uma abordagem de cirurgia específica para a paciente.

Agora que já foram apresentados os tipos de cirurgia que são feitas para retirar tumores e calcificações nas mamas, conheça as possibilidades de reconstrução mamária.

Em geral existem três opções para reconstruir a mama, com material do próprio corpo da paciente (cirurgia autógena), com a utilização de próteses ou com a utilização dos dois, próteses e pele. A forma será escolhida de acordo com a realidade enfrentada pela paciente.

Cirurgia autógena

Na cirurgia onde se opta por utilizar o material do próprio corpo da paciente, são utilizadas técnicas de retalhos com músculo, gordura e pele da paciente para criar ou cobrir o local da mama que foi perdido na mastectomia.

A cirurgia pode ser conciliada com uma abdominoplastia, onde são retirados pele, músculos e gordura do abdome da paciente e com esse material é feita a reconstrução da mama. Ou pode ser feita a utilização do tecido das costas ou das nádegas da paciente, em que é retirado um fuso de pele e gordura juntamente com o músculo e transferido para a mama a ser reconstruída.

Cirurgia autógena com prótese de mama

Às vezes é feita a combinação da utilização de próteses de mama e a utilização de pele e músculo da paciente na parede torácica para cobrir e sustentar o implante mamário.

tamanho-protese

Cirurgia de implante mamário

Quando a cirurgia de reconstrução é feita logo em seguida a da mastectomia, ou quando a paciente apresenta tecido mamário para sustentar e cobrir a prótese, a reconstrução pode ser feita apenas com a inclusão do implante de silicone.

O cirurgião irá lhe ajudar a decidir qual alternativa é melhor para você. Reconstrução com implantes geralmente requerem expansão de tecido

Cirurgia com próteses expansoras

Quando a paciente não apresenta tecido mamário para cobrir e sustentar a mama pode ser feita a expansão do tecido saudável com a utilização de próteses expansoras.

Nessa cirurgia é inserida uma prótese vazia embaixo do músculo peitoral da paciente, essa prótese tem uma válvula interna por onde o cirurgião irá injetar soro fisiológico para expandir o tecido saudável da mama da paciente, aos poucos, até que ele seja suficiente para fazer a troca da prótese expansora pela prótese de silicone.

Este procedimento requer muitos retornos ao consultório, por 4 a 6 meses, após a colocação do expansor, para enchê-lo e expandir a pele aos poucos.

Reconstrução com expansão do tecido permite recuperação mais rápida que os procedimentos utilizando retalhos, no entanto, é um processo de reconstrução mais demorado.

Conclusão

A reconstrução da mama é um procedimento muito individualizado, para escolher a melhor opção para a cada paciente o cirurgião plástico irá avaliar não só o desejo da paciente como também o histórico de saúde, a fase do tratamento em que ela se encontra as medidas corporais da paciente, os hábitos de vida, entre outros.

Acompanhe-nos no Facebook e veja todos os nossos posts relacionados ao Outubro Rosa!